Categoria: Futebol Page 2 of 3

TV PARA TOTÓS, ACÉFALOS E FANÁTICOS

Nota prévia: Se está enquadrado num destes três estados por favor não leia mais porque terá dificuldade em entender, aceitar e reconhecer-se!

Passo um: deixe de ler. Passo dois: saia deste texto. Passo três: regresse de imediato aos habituais canais televisivos disponíveis.

Esclarecimento necessário: Não vejo Tv, mas para esta crónica recorri as redes sociais onde existem vários pequenos vídeos exemplificativos. Nada tenho contra os comentadores desportivos ou pivôs que ganham a vida com este trabalho, mas tenho pena de quem consome este produto final. Muita pena!

Episódio referência: O golo anulado ao Moreirense contra o Benfica e a questão sobre se a bola entrou ou não na baliza do clube encarnado.

TV PARA TOTÓS, ACÉFALOS E FANÁTICOS

Primeiro é preciso ver as imagens e ouvir bem cada comentário que é dito sobre o mesmo lance para entender este fenómeno paranormal da realidade actual da televisão portuguesa e daqueles comentadores desportivos, presumo que bem pagos, para desempenharem um papel de manipulação das mentes distorcendo a realidade visível a qualquer um. É, de facto, uma obra de arte incrível. Há comentadores de bom senso – poucos – que não se prestam a esses serviços encomendados.

Não é golo mal anulado nenhum, a bola não entra na baliza! … Por favor olhem com atenção para este vídeo e vejam a bola a bater num placard de uma instituição financeira que ali até ao fundo e a vir para trás da baliza” – Vasco Mendonça – in SIC Notícias

Mas o pior estava guardado para outro canal televisivo que até transmite jogos do seu clube.

E se associarmos os diversos jornais diários a esta panóplia de instrumentalização e manipulação global tudo fica mais assustador!

Há muitos milhões envolvidos. E de várias proveniências. Há muitos interesses escondidos e para uma sociedade feliz e estupidificada é preciso que ganhem sempre os mesmos. A luta do poder.

É preciso que a televisão consiga distrair o povo e alimente as suas conversas de café. Não dá para mais. Não querem mais. Não pode ser mais. Um lindo povo de totós, acéfalos e fanáticos é o cenário perfeito para que tudo o resto aconteça e passe despercebido. Coitado do Rui Pinto que teve a inteligência e ousadia de contrariar esta realidade. Coitado do outro que foi desmascarado e apanhado com a “boca na botija” ao fim de tantos e tantos anos e até vimos – isto era no tempo em que via televisão – alguns comentadores a defender a sua condição e apetência religiosa. Um crente, certamente, dos mais fervorosos do mundo Tuga!

Fico afastado de consciência tranquila. Nunca recebi nenhum dinheiro para comentar nem para escrever sobre o desporto ou sobre os clubes as suas artimanhas, mas combati o sistema enquanto tive essa oportunidade, um combate com ética, directo e feroz! Os resultados todos sabem. Eram tempos de mudança, de acabar com o que se construía e que tiraria o poder ao actual estado, mas ninguém percebeu o que estava em causa e deixaram morrer um combate necessário e ousado. O mundo não vive de ousadias…

Hoje é tão deplorável que deixei de ter estômago, jogo de cintura e flexibilidade mental para ver a televisão portuguesa. Digo-vos que foi uma decisão feliz. Defendi a minha sanidade mental, ocupei-me com outras coisas mais importantes e deixei de aturar totós, acéfalos e fanáticos, que os há, diga-se, em todos os clubes.

Estar longe da Star Wars para totós é tão saudável e satisfatório. Repito: Não tenho nada contra quem ganha a vida a desempenhar este papel da manipulação global de mentes inócuas. Bem pagos, como espero, fazem pela vida! Eu não seria capaz de fazê-lo, mas, por isso, não julgo os que o fazem.

Tenho pena dos totós, acéfalos e fanáticos embora saiba que estão convictos da sua razão e que estarão cobertos de sapiência, talvez até alguma cultura (desportiva?) e outros predicados inexplicáveis.

Se uma sociedade com poder quer e constrói um povo assim, quem sou eu para impedir?

Termino que a conexão obrigatória para os mais desatentos: foi por aqui, por este caminho de manipulação das mentes que iniciou a destruição do meu Clube. Foi por aqui meus caros, por aqui e ninguém quis perceber até que já era tarde demais…

O mundo agora é dos totós, acéfalos e fanáticos que vivem dependentes de alimentação diária para a mentes obtusas e nas mãos de uns quantos. Mas vivem felizes, quero eu acreditar!

Sejam felizes!

SUIGENERIS O SPORTING EM TAKES

Introdução:

Ontem estive em Alvalade para assistir ao jogo em que o Sporting CP venceu e convenceu o SC Braga por um expressivo 3-0 e tão bem soube, não só pela vitória, mas, essencialmente pelo jogo jogado. Mas fui um atento observador (também observado) do que aconteceu num todo e vou expressá-lo, aqui e agora, mais do que vi, o que realmente senti.

300000

TAKE 1

Um grande jogo merece uma grande assistência! Ponto. Não aconteceu, estiveram em Alvalade 27.673 espectadores o que é realmente sintomático e nos remete para uns tempos atrás onde os ventos eram assustadores e o futuro incerto com adeptos resignados ou incrédulos. Cada vez mais estamos próximos desses tempos indesejáveis. Muito próximos que, a maioria, continua sem uma profunda consciência.

TAKE 2

As claques, mais uma vez, iniciaram o seu apoio ao minuto 12. São o 12.º jogador. Reivindicam coisas que com as quais posso concordar e que, na maioria, já defendi em tempos idos. As tarjas são uma boa ferramenta para passarem as suas mensagens. E a de Fredy Montero: “SEMPRE…LEÃO… OBRIGADO” foi bonita de ver. E para Nani? O capitão da formação do Sporting, o Sportinguista que regressou à sua casa pela segunda vez não merecia mais consideração e respeito? Talvez as claques tenham as suas razões, mas, não só não entendi como não gostei!

TAKE 3

Foi bonito observar a felicidade dos Adeptos e Sócios que vibravam felizes com a exibição e os golos que construíram a justa vitória. Olhava-os e pensava: A falta de exigência dos Adeptos é uma constância que dá os seus frutos sem cor e sem sabor. Estamos atrás do Braga, temos jogado mal e é vê-los sem memória, felizes a viver o momento, como se tudo isso fosse natural ou como se o Sporting tivesse sido campeão várias vezes nos últimos 25 anos como o Abel perguntou. Já vive outra cultura de exigência que vai morrendo lentamente e se refecte dentro das quatro linhas.

TAKE 4

Onde andou esta equipa do Sporting nos últimos jogos? Ou, por coincidência, foi preciso saírem Montero e Nani para tudo mudar? Não que o Sporting fosse obrigado a ganhar todos os jogos por 3-0 mas a atitude e compromisso (são os mesmos jogadores) deveria ter estado sempre lá e não esteve! Porquê? O que aconteceu? O que mudou? Responda quem souber que não sei estas respostas…

Conclusão:

Há um Sporting diferente e, na minha perspectiva, não é para melhor. Uma classificação assustadora e exibições deprimentes têm sido o apanágio deste Sporting 18/19. E não venham com lamechas de verão que os gelados – esses sim são usuais no verão – não se comem com a testa. E assalta-me diariamente a memória de 2012. A mudança constante de treinador ao meio das épocas, as debilidades em campo e a ausência de títulos nacionais. Se é verdade que o Sporting não foi campeão, não há como refutar sem factual, também é verdade que já esteve mais próximo de sê-lo do que está ou estará, provavelmente, nos próximos anos. Mas, como ontem vi, os Adeptos estavam felizes e felizmente ninguém se aleijou. Haja saúde!

Saudações Leoninas

 

OS APROVEITADORES DO FUTEBOL

Aproveitadores do futebol

Todos nós sabemos que o futebol é um mundo à parte, que movimenta milhões e multidões. Também conhecemos muitas histórias que foram tornadas públicas pelos mais diversos meios de comunicação social, e que envolvem escândalos com jogadores ou com dirigentes de clubes.

Existem, no entanto, outras situações, não menos escandalosas, que o cidadão comum, mesmo o mais apaixonado por futebol, não tem conhecimento. Talvez porque notícias como essas não vendem jornais, ou revistas.

Almejando jogar ao mais alto nível, os jogadores geralmente abandonam os estudos muito cedo (e este será um outro tema a desenvolver futuramente),e envolvem-se num mundo extremamente exigente nos seus clubes, que os faz afastar da vida normal em sociedade, quer pela exigência diária para alcançar a alta performance, quer pela falta de tempo que esta exigência proporciona, quer ainda porque passam a ser figuras públicas, sempre debaixo dos olhares críticos da sociedade.

Por força do que acabámos de dizer, o jogador de futebol é regra geraltímido, e procura evitar conflitos ou confusões que possam expor a sua carreira ou a sua família. E é também uma pessoa… normal… que tem as mesmas necessidades que outra pessoa qualquer tem.

E é sobretudo por causa destas necessidades, aliadas à falta de tempo, de estudos e à visibilidade pública, que surgem os habituais “aproveitadores do futebol”, como que sanguessugas, que conhecem muito bem como tirar proveito das fraquezas destes desportistas.

Há alguns meses, esteve no meu escritório um jogador de futebol internacional, que atua num grande clube em Portugal, e que tinha acabado de chegar ao nosso País, por transferência dum outro grande clube europeu.

E procurou-me porque queria que eu lhe garantisse juridicamente que ao pagar o valor que uma suposta pessoa lhe exigia, ele (o jogador) poderia ficar descansado, não voltando a ser importunado por causa daquele tema.

Pedi que me contasse melhor o problema, e ele disse-me que chegou a Portugal primeiro que a sua esposa e os seus, e para adiantar trabalho, tinha visitado alguns apartamentos no intuito de escolher um que viessem a arrendar.

Agradaram-lhe alguns, e inclusivamente fez chamadas de vídeo para a esposa, mas, não se vincularam com nenhum, porque a esposa queria ver os apartamentos pessoalmente – e com razão, porque nesta matéria são as mulheres que mandam!

Ao chegar a Portugal cerca de 4 dias depois, verificando que um dos imóveis ainda se encontrava livre, a esposa foi visitar o apartamento com o marido, e não lhe agradou, razão pela qual disseram à proprietária que não pretendiam ficar com aquele imóvel.

Uma semana depois, o jogador recebeu uma carta “em seu nome” no clube para onde foi jogar, remetida pela proprietária do apartamento que não pretenderam arrendar, exigindo o pagamento duma quantia de cerca de € 2.000,00, porque não quiseram arrendar aquele apartamento!!!

Aquele jogador veio falar connosco, porque queria pagar para evitar confusões com o seu novo Clube, mas queria ter a certeza que a senhora não o incomodaria mais.

 

Ora, a uma pessoa normal, como eu, ninguém exigiria uma compensação (sabe-se lá a título de quê) só porque não gostei dum apartamento, e não o pretendo arrendar.

Provavelmente, como a minha barriga não permite que eu seja grande jogador de futebol, nunca atraí estas sanguessugas aproveitadoras. Mas para estes jogadores, é o pão nosso de cada dia.

É claro que este problema se resolveu com uma carta do nosso escritório.

Mas o que me preocupa, são aquelas que não temos conhecimento, e que por força disso vão alimentando os “aproveitadores do futebol”. Que a meu ver, os Clubes e os Agentes Desportivos, também têm uma quota de responsabilidade.

No entanto, isto são os olhares dum causídico, que é também apaixonado por futebol.

Saudações Leoninas!

ONTEM VI-TE EM ALVALADE

Sentei-me em frente ao computador para escrever esta crónica, mas, antes, pedi à emoção que me deixasse só para que não fosse visível na tradução das palavras e para que a racionalidade imperasse. Por isso, esta é uma crónica diferente mas pura como todas as que escrevo.

Depois deste ponto prévio, abordemos os temas da actualidade. Escrevo-vos esta crónica hoje, 4-2 de um ano ímpar. Em paz e com a serenidade que tanto gosto e que uma noite já dormida, aos tropeções, permite ter, espero, com alguma lucidez.

Passei pelas redes sociais, de fugida, e fiquei atónito com as campanhas que encontrei e com aquelas manifestações de destituição desta direcção. Todos sabem que detesto  manifestações, somente são ridículas e não produzem efeito, como sou contra a palavra destituição e, agora, para mim, nada mudou só por o Sporting ter outra direcção. Continuo igual, ou seja, contra as manifestações e destituições!

Como não sou apologista de vinganças. E como estranho alguns silêncios cirúrgicos dos últimos candidatos à presidência do meu Clube. Sumiram. E, provavelmente, espreitam uma boa oportunidade de reaparecerem em benefício próprio. O Sporting não precisa de candidatos. Durante os próximos três anos e meio não! Deixem esta direcção trabalhar, com tempo, para que a reestruturação da academia seja uma realidade.

Sim, no futebol vamos mal. Não há como fugir a essa realidade, mas é preciso tempo e, assim como assim, não se ganha há tantos anos. Pode parecer estranho, o que vos escrevo, mas não é, quero paz e estabilidade no meu Clube. Quero que a direcção tenha todas as condições para defender o melhor para o Sporting. Quero ter paciência para esperar pelos resultados.

Ontem fui a Alvalade. Não gostei do que vi no relvado. Como não gostei do que vi nas bancadas – uma coreografia inicial festiva – mas o pior viria depois, bancadas por preencher, pouco apoio – em especial da Claques que estiveram muito amorfas – pessoas a abandonar o estádio ao minuto 74´e lenços brancos. Não gostei de ver.

Mas, e há sempre um mas, nem tudo foi mau! Ontem vi-te em Alvalade, sim, tu, o futuro presidente do Sporting Clube de Portugal.

Espero que sejas, daqui a quatro anos, um bom substituto do Dr. Varandas e que coloque o nosso grande amor no patamar mais alto da Europa, pois sei que és capaz. Sei que tens o nosso apoio. Sei que tu mereces todo o respeito da família Leonina.

Ontem vi-te em Alvalade e comecei a sonhar com a tua presidência. Bem-vindo Cristiano Ronaldo ao nosso Sporting Clube de Portugal. Nós saberemos esperar por ti!

Saudações Leoninas

OUSA DIAS E OUSADIAS & COMP.ª

A Taça da Liga veio outra vez de Braga para Alvalade. Há dias assim. Ousa quem pode e quer, ousadias e companhia em rima com azia(s)…

Se não tinha sido bonito ver a dupla AA, leia-se Abel & António, desta feita não foi bonito ver as medalhas voadoras e uma dela como arma de arremesso contra um adepto. Nem tão pouco aquela falta de chá para assistirem à entrega do troféu depois da equipa do Sporting ter brindado com a devida homenagem.

Aquelas polémicas das imagens que o Benfica reclamou, já ausente da final, não contribuíram para a pacificidade no futebol, mas, disso tudo, não sobram resquícios na dita Comunicação Social.

Por falar em Benfica, polémicas e resquícios…

benfica 1-4sporting

No dia seguinte – ou seja ontem – vimos outro espectáculo empolgante! No caso, em hóquei em patins, com a vitória de sacrifício da equipa de Paulo Freitas na Luz por um concludente 1-4 depois de imenso tempo com um jogador a menos.

Atrevo-me a dizer que tive laivos memoriais de outros tempos!

Em boa verdade, confesso, que alimento a esperança de voltar a ter um Sporting CP com raça, atitude e compromisso em todas as modalidades e em qualquer lugar como o que já vi outrora. Prova-se uma vez e nunca mais se esquece aquele sabor. A memória gustativa aliada à outra que guarda os estímulos sensoriais como aquele que sentimos ao ouvir a nossa canção seja no estádio ou no pavilhão.

O importante, voltando ao jogo jogado, seja no ringue ou no relvado, é vencer!

E quem ousa essa vontade ou tem a ousadia de em dois dias ter bons resultados contra os maiores rivais, merece um louvor à companhia e uma menção de aptidão.

Mas em questão de prémios, para mim, o maior vai para os Adeptos Leoninos que em Braga deram um fenomenal festival de como se deve apoiar uma equipa. Tantas e tantas vezes disse que estes Adeptos são os melhores do mundo e merecem um Clube de uma grandeza europeia.

E como estamos à porta de Fevereiro, o meu mês predilecto, vamos ter um mês empolgante cheio de boas novas e muitas alegrias, que espero, no terceiro dia seja uma delas, porque, em Alvalade, mandamos nós e ganhar ao maior rival é fundamental.

Termino com vasto agradecimento a todos os que lêem o Banco de Suplentes! Percebi que não tem fronteiras geográficas e que é com agrado de muitos que aqui passam para saberem um pouco mais do que pensamos sobre o nosso Sporting.

Obrigado a todos, em especial, aos mais críticos pela coragem de aqui continuarem a ler o que escrevemos.

Saudações Leoninas

CRÓNICA DO DAR ANTES DE RECEBER

Esta quadra natalícia é muito interessante, não só porque é uma época em que as famílias se reúnem, mas principalmente porque ao contrário do resto do ano, em que principalmente gastámos tempo preocupados com o que recebemos, durante estes dias pensamos e gastamos tempo com o que vamos dar.

Esteve bem, por isso, a Direção do Sporting ao manter a iniciativa do treino aberto aos Sócios no dia a seguir ao Natal no Estádio José Alvalade, mantendo a recolha de brinquedos numa ação de solidariedade que já se está a tornar tradição.

Também esteve bem a comunicação do Sporting ao brindar-nos com o Nani e o Coates em duas entrevistas, dando a possibilidade aos Sócios e adeptos de ficarem a saber a opinião destes jogadores.

Muito interessante o que Nani disse. Acerca da “invasão à Academia” disse que “já ninguém se lembra disso. É para esquecer, é passado”, o que é no mínimo curioso dizer isso quando ainda há poucos dias tivemos a “simulação” feita por crianças idealizada por uns quantos “iluminados” e infelizmente aceite pela Direção, para, pasme-se, transmitir uma mensagem natalícia institucional.

Nani também falou do anti jogo e das simulações de faltas e faltinhas tão useiras no nosso campeonato. De uma forma aberta Nani criticou os colegas futebolistas e fez também uma auto critica, quando comparou com o ambiente que se vive em Inglaterra na Premier League que tão bem conhece. Num país onde o corporativismo é palavra de ordem, Nani mostrou ser mais que uns “pezinhos jeitosos”.

Chamou a atenção o que disse sobre Bruno Fernandes, ao dizer que, houve pressões externas para que Bruno Fernandes rescindisse, quando não era essa a sua vontade. Mas a parte importante, na minha opinião, é quando diz que alguns futebolistas “dão tiros nos pés, pois esquecem-se que, para enriquecer no futebol, é preciso jogar à bola”, parecendo fazer um alerta a comportamentos menos éticos.

Basicamente o que Nani diz é que um futebolista primeiro tem de dar, do seu esforço, do seu talento, para depois poder receber. Nani já percebeu há muito tempo que o dinheiro não é tudo na vida e por isso diz “que não é a primeira vez que deixo dinheiro para trás”, e por duas vezes voltou à casa que o formou e lançou. Nós Sócios e adeptos sabemos disso e por isso retribuímos-lhe com respeito e admiração, por isso é que esta é a crónica do dar antes de receber.

Nuno Sousa – Sócio 9.575-0 desde agosto de 1981

PS – O treinador do Braga também gosta de dar, para uns dá sorrisos e é mansinho, mas com outros dá uma cara feia e voz grossa, por isso o que recebe dos Sócios do Sporting não é respeito nem admiração

abel.jpg

O PARADOXO DO SPORTING

Estamos numa época festiva e de família. E, de repente, encontramos um Sporting paradoxal. Numa ruidosa luta entre o positivo e o negativo ou entre o bem e o mal. Vejamos:

POSITIVO

A equipa principal de futebol. Os mesmos jogadores em equipa técnica diferente e tudo mudou quase por magia. Bom futebol jogado, só vitórias, muitos golos e uma entrega (atitude e compromisso) dos jogadores. Forte reacção e muita pressão depois da perda da bola até recuperá-la e muitos passes, com transições ofensivas rápidas. Remates à baliza por qualquer jogador. Depois a aposta na “prata da casa” também faz a diferença e dá crédito à Academia de Alcochete.

Marcel Keizer é o homem que representa, de momento, e na perfeição, o lado positivo do actual Sporting.

NEGATIVO

A comunicação do Sporting! O exemplo vem de cima e começa no presidente Frederico Varandas.

Sobre a sua pronuncia em relação à Sporting Tv do passado já respondi na minha página do facebook e todos os anteriores comentadores deveriam tê-lo feito. Pela verdade. Pela justiça. E pela honra.

Depois vem uma campanha natalícia que engloba crianças e o momento mais triste do ano, um dos mais tristes da história do Sporting CP.

Até parece provocação ou algo que é superior ao entendimento do comum adepto!

Vejamos, para comparar, uma antiga campanha do Sporting na mesma época e, com os devidos descontos do tempo que passou e da evolução, nota-se uma clara diferença ou não?

Se esta tem cinco anos, e para compararmos melhor, vejamos uma campanha com três anos:

Parece-me ousado o caminho que este Sporting está a trilhar, ousado e arriscado!

Aquele erro informático ficará na memória futura e Cherbakov não esquecerá, certamente, tão depressa.

Depois, há algo de muito negativo a registar: A assistência em Alvalade de 12.103 espectadores esta semana e com a equipa a ganhar bem, a marcar muito golos e com bom futebol. Dá que pensar, melhor, deveria dar que pensar, e muito, aos responsáveis actuais do Clube.

Claro que no final, se o Sporting for campeão, como espero, e já anunciei, tudo valeu a pena e ninguém se lembrará de tantas negatividades…

Para mim, ressalvo, nem tudo justifica os meios para chegar aos fins pretendidos.

Entretanto vamos coleccionando momentos e histórias paradoxais, entre as AGs e as suas conduções restringidas, as campanhas e as comunicações de lapso ou criativas e os bons jogos de futebol.

Mas o Sporting não pode ser só isto! Exige-se mais, muito mais!

Boas Festas!

DEPOIS DA LAMBRETA DE ELISEU A MOTA DE JOSÉ

Antes da Mota e depois da lambreta há um Keizer. E com ele umas quantas estreias sempre evocadas para criar um género de pressão. Resultado fixa-se no algarismo 4. Vale o que vale, mas é factual. Qual será a próxima estreia a merecer destaque para pressionar?

Desta feita era a estreia em Alvalade. Coisa medonha. E, para ajudar o festim, aos 18´já o Desportivo das Aves vencia o Sporting CP por 0-1 a relembrar o jogo da final da Taça de Portugal.

Golo indefensível. Como ao minuto 40´o defesa do D. Aves fez uma grande penalidade escusada, até parva e inesperada, mas, de facto, grande penalidade e com o VAR era impossível deixar passar. Bas Dos fez o empate e começou o festim de Mota.

Expulsão imediata por comportamento inadmissível e abusivo, completamente descontrolado, de um treinador com vasta experiência no futebol português.

Se há coisa que não compreendo é como é que um treinador expulso vai à conferência de imprensa, isto, porque, o critério é variável, uns vão e outros não. José Mota foi!

E qual Santo António, José Mota começa a dar um valente sermão, não aos peixes, mas aos que assistiam àquela conferência.

Os momentos de Eliseu e Mota são antagónicos pela essência e razão. Mas, talvez, esta analogia sirva para delimitar uma era que foi vencedora e que acabou. Estarão a pensar nas aves, melhor, na águia Vitória, mas podem também pensar nas Aves do Desportivo e concluir que aquela vitória da Taça jamais voltará a acontecer.

O Eliseu desapareceu misteriosamente. Ninguém sabe o que aconteceu e ninguém parece ter reparado. É normal. Um jogador do rival tem sempre um manto protector a cobrir todos os ângulos que impede de ver cada lance ou cada caso com a natural realidade das coisas.

Mas o que faria um José tão desnorteado para ser expulso?

O que terá o efeito de chegar à conferência para ter aquela postura demorada e teatralizada com uma justificação surreal de aplausos aos seus jogadores muito para além da zona técnica. E insistentemente. E depois de sofrer um empate por erro crasso do seu jogador?

A Mota do José fará esquecer a lambereta do Eliseu. Não o Eliseu que gosta de andar de lambereta e desapareceu para parte incerta.

Se acham que há alguma ligação entre ambos casos, o desaparecimento e o sermão ao peixes, perguntem ao Santo António que anda sempre escondido e só aparece de vez em quando, à noite, quando uma luz se insinua.

O futebol português tem coisas giras! E mistérios por descobrir…

SEJA O QUE DEUS KEISER…

A derrota na taça da liga foi a gota de água. Findo o encontro com o Estoril, o desagrado vindo das bancadas foi audível e notório, insatisfação essa que já vinha desde o jogo em Portimão.

Peseiro nunca foi consensual no Sporting. O treinador apelidado de «PéZero» ou «Pé Frio» nas redes sociais, nunca reuniu a maioria dos apoios como treinador do Sporting.

Não vale a pena estar aqui descortinar as razões para tal, pois já foram mais do que debatidas na Comunicação Social. O que é estranho é essa mesma CS não referir (ou pouco mencionar), que esta foi a escolha pessoal do amigo Sousa Cintra na sua passagem pela Comissão de Gestão do Sporting. E mais: o Próprio Cintra assumiu: “Não se pode agradar a todos, uns querem estrangeiro… Foi a minha decisão, se as coisas correrem mal assumo essa despesa». (notícia completa aqui).

Ora bem, ficamos então à espera que Cintra já tenha o dinheirinho preparado. Quanto ao Peseiro, na minha humilde opinião, já vai tarde e nunca devia ter vindo!

Com Peseiro fora, Tiago Fernandes assume o comando provisório e começam os nomes a sair na CS. Desde o dia 1 de Novembro, já foram «confirmados» ou «avançados no Sporting: Paulo Sousa, Miguel Cardoso, Cesare Prandelli, Peter Bosz, Jorge Sampaoli, Leonardo Jardim e agora, parece que o nome final é Marcel Keizer.

«Quem?» foi a pergunta que mais li ao ser anunciado como certo. Embora Varandas não tenha revelado ainda o nome, afirmando que apesar de já estar escolhido o novo treinador «não posso revelar porque ainda tem de rescindir o contrato com o clube em que está agora em funções».

Coincidência ou não, o treinador de que todos falam agora (mais uma vez) como forte possibilidade no Sporting está no mesmo clube onde trabalha o médico contratado para vir em Janeiro para o SCP: João Pedro Araújo, o Al-Jazira. Mais, segundo alguma CS, sempre bem informada, foi o médico a fazer a ponte entre o treinador e a direcção do SCP. É o chamado «2 em 1», portanto.

Segundo li na imprensa, Keiser formou-se nas escolas do Ajax. Gosta de jogar 4x3x3 e no CV conta com… zero títulos. A CS, bem informada como sempre, desta vez pela voz Pedro Sousa, no seu espaço habitual na TV, adianta que o treinador custará 530 mil euros (custo da indemnização ao clube árabe) e que supostamente vai assinar por duas épocas, com um salário de perto de 700 mil euros/ano.

O sentimento geral é: que venha! Sem treinador é que não podemos ficar. Mais eis que, o que a imprensa mais uma vez, dava como 99% certo, afinal não é assim tão certo. Depois de avançarem que o Al-Jazira exige uma indemnização pela saída do treinador, o próprio Marcel afirma aos jornalistas que recebeu um convite dos Leões mas que «ainda não recebi a oferta formal”. (Aqui).

Estranho, é A CS já saber os detalhes do contrato do suposto novo treinador, antes do próprio! Há proposta? Não há proposta? Arrependeram-se? Marcel não aceitou e quer outras condições?

Portanto: a CS dá Marcel como certo, vamos pesquisar quem é o homem, lá nos convencemos que é ele (apesar do CV pouco empolgante), o clube onde trabalha faz braço de ferro, Marcel diz que apenas tem uma proposta verbal… e, 6 dias depois, estamos na mesma à deriva, nas águas da CS, como de costume.

Eu não queria o PéZero. Mas despedir o treinador (de madrugada, de manhã, a mando de outros ou pelo próprio presidente) sem ter uma opção?… Não digo imediata, mas passados 6 dias ainda andamos nisto?!

Veremos o que acontece. Eu quero é um treinador e um Sporting vencedor. Até lá, seja o que Deus Keiser!

CRÓNICA SOBRE VARANDAS PRISIONEIRO

Comecei a pensar nesta crónica, estava eu em Milão, onde passei 3 dias em trabalho. Na sua principal Praça lá estava ele, o Leão, majestoso, poderoso, símbolo de força, junto da estátua de Vittorio Emanuele II, “o pai da Pátria Italiana”.leone-vittorio-emanuele-ii-monument-in

Itália tem excelente comida, excelentes carros, grandes clubes de futebol, mas também teve o “Calcio Caos”, o processo de corrupção que arrastou a Juventus para a Série B, iniciando o campeonato com -9 pontos na classificação, multa pecuniária, e perda dos títulos de 2004-05 – não atribuído a outro clube – e 2005-06 – atribuído ao Inter.

Em Portugal, o futebol passa por um processo, ou melhor vários processos, onde há suspeitas de corrupção e outros crimes, por parte de um clube. Fala-se de muita coisa, já há arguidos em alguns dos processos, mas os supostos corruptores ativos, dirigentes da agremiação rival, estão em liberdade, não estando, portanto, em prisão preventiva.

Mesmo havendo suspeitas e sendo arguidos, essa agremiação continua a sentir-se com direito a atacar tudo e todos – está no seu direito logo que dentro da lei – mantendo assim, os seus adeptos, convencidos que a direção está a defender o melhor possível o seu clube, mesmo que o “gato esteja escondido com o rabo de fora”.

Já no nosso Sporting temos uma direção que, chegada de fresco, continua calada no silêncio, sem dar uma prova de vida, parecendo que está no cárcere.

Varandas, não dá uma prova de vida em relação ao prometido durante a campanha eleitoral que “o campeonato de 2015/16 é nosso. Eu vi com os meus olhos muita coisa que não vai poder continuar”. Será que se referia a coisas como as que temos vindo a saber pelo caso “E-mails”? Mas então porque não fala? Está prisioneiro de alguma coisa que se passou entretanto?

varandaschora.jpg

Frederico Varandas, vê o seu treinador – sim, seu treinador, pois Varandas apoiou a decisão da contratação de Peseiro – mas dizia eu, que vê o seu treinador a ser atacado por Sousa Cintra e não vem defender o seu “grupo de trabalho”? Mas porque não defende o seu “grupo de trabalho”? Está prisioneiro de alguma coisa?

Varandas, que disse que os jogadores não tinham razão no pedido de rescisão por justa causa, que com ele todos voltariam e que iria defender os interesses do Sporting, anda agora, segundo os jornais, a “pedir ajuda a Jorge Mendes”. Mas Jorge Mendes é advogado especialista em rescisões? Esse não era o Juan de Dios Crespo? Está Varandas prisioneiro de alguma coisa?

Varandas nada diz acerca do rumo para o Sporting, nada diz aos Sócios, tem uma comunicação transmitida por canais oficiosos, pouco transparente, gerida de uma forma benfiquizada como já escrevera aqui na semana passada. Está prisioneiro de alguma coisa?

Adaptando ao atual Sporting o que dizia o co-fundador da Apple, Steve Wozniak – na imagem com Steve Jobs – acerca dos produtos que “inventava”: Varandas, ninguém vai amar este clube se tu não o amas.

stevewozniak

Varandas, como tu não o amas, quem o ama, vai, mais cedo do que mais tarde, criar uma alternativa. Uma alternativa para que os Sportinguistas e os seus Sócios se sintam majestosos, poderosos, tal como o Leão junto da estátua de Vittorio Emanuele II,  uma alternativa em que se revejam, com liderança, com um propósito, que defenda o Sporting, que não esteja calado, que transmita aos Sócios informação clara, porque essa é a melhor forma de os respeitar.

Até lá, Varandas, não espero nada mais do que fizeste até aqui, ou seja, nada. Não sei se por inaptidão ou porque não te deixam, mas na dúvida vou pela segunda hipótese e por isso esta foi uma crónica sobre Varandas prisioneiro.

Um abraço de Leão.

Nuno Sousa – Sócio 9.575-0 desde agosto de 1981

Page 2 of 3

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén