Autor: KukaGR Page 1 of 3

DOS TEMPOS QUE NÃO SÃO MERAMENTE VERBAIS

Se queres conhecer o passado, examina o presente que é o resultado; se queres conhecer o futuro, examina o presente que é a causa.

Confúcio

Passado

Mais uma Assembleia Geral Extraordinária do Sporting (e não «especial» como referiu o PMAG) e mais algumas notas que quero aqui deixar:

-Para quem tanto proclama que quer unir o Sporting, o que se viu no Sábado passado foi tudo menos união. O Gil já escreveu – e muito bem! – aqui sobre o assunto. Não o escreveria melhor!

-Mais uma vez fiquei até ao fim e a sensação que tive era a que estava a viver a AG23 all over again.

-Fico contente por ver que o Sporting é motivo de mobilização para o sector mais idoso do nosso clube: até idosos de andarilho vi na AGE a votar. Compreende-se agora porque o PMAG estava tão decidido em optar por este modelo completamente desrespeitoso para os sócios suspensos/expulsos que ali faziam a sua defesa. O regresso aos lares deve ser feito ainda com a luz do dia, creio…

-Uma certeza com que fiquei: a grande maioria das pessoas presentes naquela Assembleia, não fazia a mínima ideia do que ia votar. Toda a tarde ouvi comentários como «vou votar não porque não quero mais terrorismos no Sporting» ou porque «vou apoiar o Varandas» traduziram-se nos resultados.

-Não sendo uma AG Eleitoral, não percebo porque não foi lida a acta da AG30N. Deixo novamente a questão no ar: então e os estatutos? Afinal são para cumprir apenas quando dá jeito?

-Desta vez a Comunicação Social não entrou, mas isso não impediu que, mais uma vez, passassem imagens na tv oficiosa do clube. Quais os interesses por detrás de tal acto?

-Também, mais uma vez, relatos de «violência», «tensão» e «agressões» na CS, quando lá dentro, estava tudo calmo. A quem interessa este tipo de informação truncada?

Presente

-Keizer continua na senda de vitorias e assim espero que se mantenha hoje. A remontada deste domingo veio cimentar um pouco mais a opinião positiva que o treinador esta a deixar nos Sportinguistas.

Futuro

-Vamos ver como a actual direcção pretende continuar a “unir o Sporting”. Se o seu presidente continua com as frases feitas “e trocadas” do costume ou se começa finalmente a mostrar trabalho. De facto, depois de ver a entrevista à Sporting TV, não há duvida que o silêncio é o maior aliado deste Presidente.

-Uma nota para a comunicação do clube: o erro absolutamente estúpido que aconteceu esta semana, com o envio de um email supostamente de felicitações de aniversário a um sócio de seis anos – e a justificação para o “engano” – foram uma vergonha. Não ao pode voltar a acontecer.

 

 

DOS EXTREMISMOS QUE NÃO LEVAM A NADA

Aproxima-se mais uma AG determinante na história do Sporting Clube de Portugal. Uma AG diferente, em todos os sentidos, pois é a primeira vez que se realiza uma AGE pelos motivos conhecidos.

Enganem-se os que pensam que é uma Assembleia pouco importante para o futuro do nosso Clube, apenas porque vai deliberar sobre o destino de oito pessoas. As deliberações desta AG podem abrir um precedente sem igual (mais um) na história do SCP. Mas já lá vamos…

Confesso que estou cansada de tantos extremismos de opinião. Não me apercebi quando é que Portugal deixou de ser um regime democrático para passar a ser uma ditadura… De opiniões, pelo menos. E aqui, refiro-me a ambos os lados da questão: aos que são contra e aos que são a favor do levantamento das suspensões/expulsões.

Não interessa aqui quem começa, quem é mais aguerrido, quem publica mais posts e escreve mais comentários. Interessa aqui é que existe uma grande falta de respeito de ambas as partes, e isso não é nada bom. Se a isto juntarmos a quantidade de ameaças que os Leais têm sido alvo, o assunto descamba a níveis nunca vistos.

Acima de tudo há uma grande falta de compreensão por quem defende um dos lados. E aqui, tenho de puxar a brasa à minha sardinha. Porque o que esta direcção e os seus apoiantes ainda não perceberam é que nós, os «brunistas» como nos querem chamar, não nos conformamos com a falta de transparência. Com aquilo a que chamamos o «golpe» que foi feito. Com os inúmeros atropelos e histórias mal contadas que nos querem impingir todos os dias.

A herança da CG em geral, e de Sousa Cintra, em particular, é pesada para quem, como nós, começa a ter as certezas de que tudo o que foi feito e dito na altura, não bate certo.

O caso do ordenado de Bas Dost é só um dos vários exemplos: vinha sem exigências, afinal foi aumentado. Aqui não está em causa o excelente jogador, que tantas alegrias nos dá quando marca golo (sim, alegrias – ao contrário do que muitos afirmam, eu quero o Sporting a ganhar, a ser campeão!). Não está em causa se merece ou não. Nem a questão é frisada para «desunir» o que quer que seja. O que está aqui em causa é a mentira, a trapalhada, a falta de transparência do que foi dito.

Já nem vou detalhar a falta de imparcialidade de um órgão como o ex CF, com elementos como Henrique Monteiro, esse mesmo que esteve nas manifestações anti BdC ou de alguns elementos que tanto gostam de tertúlias e que depois decidiram a suspensão/expulsão dos elementos que tanto criticaram.

E de cada vez que se «desmonta» uma inverdade, cai o carmo e a trindade! porque «não nos conformamos», porque somos do «Bruno Futebol Clube» porque não promovemos a paz no Sporting.

Queriam paz? Era tão simples. Deixavam BdC ir a eleições. Se de facto nao representava perigo e os 71% eram reais, a derrota seria estrondosa nas urnas. Só nos restava “meter a viola no saco” e estava feito. Evitava-se tanta, mas tanta coisa, como o ponto a que nos encontramos hoje, por exemplo.

Voltando à AG do próximo sábado. Conheço muitas pessoas anti BdC que vão votar contra a suspensão/expulsão de qualquer sócio. Porquê? Porque simplesmente sabem separar o trigo do joio. Porque apesar de não quererem BdC mais no clube, não esquecem o que foi feito de positivo – que não foi tão pouco como isso – nem embarcam em histórias da carochinha.

Com os excessos que já foram cometidos de parte a parte, a julgar pelos motivos que levaram a esta suspensão, então a lista seria tão extensa, que várias AG’s semanais não chegavam para tanta decisão.

Vamos todos respirar. Parar e pensar um pouco. Chega de disparates e de injustiças. Vamos todos calmamente e de forma ordeira votar. Sem insultos. Sem excessos. Somos todos Sporting Clube de Portugal, um Clube que se quer eclético, justo e vencedor. No relvado e fora dele.

PASSADO, PRESENTE E FUTURO

«Pensar o passado para compreender o presente e idealizar o futuro»

Heródoto

Passado

Muito já se falou da AG30N, no entanto tenho de deixar aqui algumas notas que considero relevantes:

-Pouco mais de 500 sócios presentes. Esperava mais, com todos os apelos à mobilização que foram feitos.

-Mais uma vez, a CS a fazer «das suas» e a focar-se em meias verdades: mostra imagens que são filmadas durante segundos no início da AG como se fossem de insultos à Mesa e a Varandas, quando na verdade a indignação é contra eles… Refere tensão e violência dos apoiantes de BdC quando o único episódio mais «quente» foi provocado por um confesso apoiante deste CD que aliás, foi expulso da AG (já tinha a sua missão encomendada cumprida).

-Assobios não são desacatos. Assobios são uma forma de manifestação (neste caso de desagrado, muito desagrado). Vejo por aí alguma (muita) indignação por causa de assobios e «bocas» que foram ditas durante a AG. Não vejo a mesma indignação por parte das mesmas pessoas, com as reacções dos apoiantes deste CD quando é anunciado o resultado da votação do Orçamento. Ver só para um lado tem destas coisas.

-Acho uma falta de respeito permitir a votação quando as pessoas ainda estão a falar. Mais: as pessoas estão a intervir sobre o ReC e está a votar-se o Orçamento. Não é correcto. Devem abrir-se os pontos e fechar os pontos: discussão, votação, anuncio dos resultados.

-A não leitura e votação da acta da AG23J: como é possível uma coisa destas? Sabendo o que se sabe agora que a acta não está assinada, faltam folhas e não tem discriminado os números de votos a favor e contra, se calhar percebe-se porquê. É no mínimo curioso que o Código Civil não sirva para umas coisas, mas se utilize para outras, quando convém. Neste caso para a justificação da não aprovação de uma acta pelos sócios pois já foi certificada por um notário.

-O resultado da AG: aprovados os dois pontos com 56 e 83% dos votos, respectivamente. Não me surpreende. O Relatório e Contas só tinha de ser aprovado. O Orçamento (quase cópia de orçamentos passados) não me choca que o tenha sido também. Reprovar só porque sim, não pensado no bem do Clube não me parece sensato. De resto, os números falam por si.

Presente

-Se na altura da sua vinda, confessei as minhas dúvidas em relação ao treinador Keizer, neste momento tenho de mostrar o meu agrado. Claro que fazer melhor do que Pé0 não é nada difícil… No entanto, fica a nota de que, pelo menos este treinador entende a equipa e parece ter muito para mostrar.

-Nota para todas as notícias que têm saído na CS sobre os interrogatórios a BdC, Nuno Mendes (Mustafá) e Fernando Barata «Mendes» (Naná). Li por aí numa rede social a adaptação de um ditado engraçada: «Mais depressa se apanha uma Cofina que um coxo».

Numa clara alusão às notícias truncadas que vão saindo naquele que é o órgão de CS que mais tem contribuído para arrastar o nome do SCP na lama. Pelo que se tem visto, a verdade é mesmo como o azeite e pouco a pouco, vem ao de cima. O levantamento do segredo de justiça tem ajudado mais do que aquilo que se pensava, para que essa mesma verdade seja conhecida.

Futuro

Dia 15 temos nova AG. Desta vez a um sábado e pelo que foi anunciado por Rogério Alves, no pavilhão João Rocha. Lá estarei para votar favoravelmente os recursos apresentados por todos os suspensos e pelos dois expulsos. Todo este processo foi uma vergonha e nada, mas nada transparente. É preciso que se reflicta muito bem sobre o que esta AG significa e o precedente que poderá abrir caso a votação seja noutro sentido. Falo do melhor CD que este clube já teve nos últimos anos. É uma questão de justiça, verdade e transparência.

Por tudo isto, não podemos faltar dia 15. Espero nada menos que uma participação massiva dos sócios calma, ordeira, sem incidentes. O nosso protesto, a nossa vontade e o nosso querer é mostrado nas urnas. Só aí é que conta. Tudo o resto não passa de ruído que depois é utilizado por uma CS que não olha a meios para atingir fins.

Vamos ser mais fortes e inteligentes do que isso. E vamos mostrar afinal, de que raça somos feitos: daquela que não basta dizer que se é mas que prova que o é: Leal.

E COMO NÃO HÁ DUAS SEM TRÊS…

O assunto da semana não pode deixar de ser a AG30N. O Paulo e o Gil já escreveram nas suas crónicas (aqui e aqui) e eu já tinha abordado o assunto referindo a importância mobilização aqui. Esta Assembleia não será diferente.

E porquê? Porque como já referi, é no voto que nós sócios temos a nossa voz. Devemos votar em consciência e, como tal, devemos estar informados sobre os documentos que vão estar em discussão.

Tanto o ReC como o Orçamento são importantes e relevantes. O orçamento por ser o documento orientador para os objectivos da Direcção no próximo ano e o ReC porque valida parte da obra efectuada pelo anterior CD.

E sobre este assunto, não se compreende que em pleno século XXI, os sócios apenas tenham hipótese de consultar o Orçamento e o Relatório e Contas deslocando-se ao Centro de Atendimento no Pavilhão João Rocha. (Como descrito na convocatória).

Se estamos constantemente a receber emails do Sporting para pagar quotas, para ir aos jogos, com a agenda semanal… Até na altura das eleições recebemos mensagens dos candidatos, porque carga de água, não enviam os documentos por e-mail?!

Mais: Temos um site, temos um jornal do clube. Seria tão fácil! Este assunto não é novo, não é de agora e já vem das anteriores direcções. A única diferença é que, desta vez, não leio nem oiço indignação sobre o tema como num passado recente. Lá está. O tempo da união, parece que tem um efeito amnésico em algumas pessoas. (Será que se pega?).

Em relação à acta da AG23, sou da opinião que devemos pedir a leitura integral da mesma de modo a verificar que de facto é o relato fiel do que se passou e que é apenas uma e SÓ uma acta.

Sobre a intenção de voto, obviamente que não vou dar aqui nenhuma indicação. Cada um de nós deverá votar em consciência e com conhecimento de causa.

Quero apenas reforçar um ponto: nos últimos tempos, tudo o que é considerado oposição à actual direcção do Sporting é apelidado por diversas figuras, em diversos quadrantes e plataformas da CS como «gang», «tribo», «vândalos», «malucos». etc. Não só não é verdade como não é aconselhável este tipo de rótulos. A participação deverá e será com toda a certeza pacífica e cívica.

Ao contrário da imagem que querem fazer passar, o facto de nem toda a gente estar de acordo com esta nova forma de «unir o Sporting» não é sinónimo que essas mesmas pessoas sejam perturbadores da ordem ou que procurem qualquer tipo de confronto para fazer passar os seus pontos de vista.

Não contem connosco para ajudar a denegrir o nome do Sporting. Para isso já temos diariamente a CS que não se cansa de querer desviar as atenções dos assuntos gravíssimos que se passam do outro lado da 2ª Circular, perante a passividade da actual direcção. Mas isso são outros «500».

Contem sim connosco para participar democraticamente sempre atentos e vigilantes em todos os assuntos que dizem respeito ao nosso grande Amor. É este o meu apelo a todos vós.

QUEM CONTA UM CONTO…

«Quem conta um conto acrescenta um ponto» é uma «expressão que se utiliza para indicar que cada pessoa relata um mesmo acontecimento ou facto acrescentando pormenores da sua autoria». [in Dicionário da Língua Portuguesa 2008, da Porto Editora].

Este provérbio popular retrata na perfeição o meu assunto na crónica de hoje. Todos sabemos que uma história, quando é contada de pessoa para pessoa, sofre sempre alterações, mais ou menos substanciais.

Tal não seria grave numa conversa entre amigos, de café ou em alguma situação semelhante.

O problema é quando acontece com um jornalista/comentador sobejamente conhecido, com presença assidua em horário nobre na televisão. Aí o caso muda de figura.

Mais grave ainda, é quando esse «ponto» acrescentado altera, influencia e até mesmo muda a narrativa dos factos, criando uma ideia na mente das pessoas, como se de uma verdade absoluta se tratasse. A maior parte das pessoas pensa «Então, se ele diz na TV, é porque é verdade!». Ou «se vem no jornal, é porque foi mesmo assim».

A pessoa em questão é Rui Santos que, no seu programa Tempo Extra na Sic Notícias, afirmou o seguinte:

Temos assim Rui Santos, não uma, não duas mas sim TRÊS vezes a salientar que Bruno de Carvalho perguntou, na reunião, se as pessoas estariam com ele, independentemente do que se passasse AMANHÃ (dia do ataque). Rematando com um «E portanto, isto aqui pressupõe algum conhecimento daquilo que viria a acontecer».

Vejamos então o que está no despacho da acusação do Ministério Público

img_8486

Por aqui se comprova, como o acrescentar da palavra «AMANHû muda todo o sentido que se quer dar à narrativa, fazendo querer que BdC já teria conhecimento do que se iria passar.

E eu pergunto… Como é possível? Como é possível, que uma pessoa que quase todos os dias intervém na televisão, afirme uma coisa destas, sem provas? Citando fontes? A culpa não é dele, é das fontes que o levaram ao engano? E o que é feito da presunção da inocência?

Mais: As afirmações são espalhadas pelos vários sites de notícias e portais, reforçando a ideia que BdC disse o que disse, porque já sabia o que ia acontecer no dia seguinte, quando o contexto tinha tudo a ver com a não permanência de Jorge Jesus como treinador.

Adenda: olhemos para a última frase das declarações de BdC que constam no auto: «convocando uma reunião para estarem presentes na Academia de Alcochete às 16:00h do dia seguinte».

Pensem comigo: Então o presidente, segundo estas teorias loucas do MP, trata de tudo para a invasão da Academia e marca uma reunião para o dia seguinte à mesma hora? Com que intenção? Para se habilitar a levar um sopapo? Acreditam mesmo nisto?!

Voltando a Rui Santos, no final do vídeo, a jornalista, questiona-o sobre como viu a ida de Bruno de Carvalho ao DIAP para prestar declarações.

Resposta: «Eu acho que isso foi claramente com a intenção de gerar algum desconforto no Ministério Público».

Se isto não revela um julgamento de carácter em praça pública e uma má-fé extraordinária, não sei o que revelará.

E é assim, que desta forma, se deturpa algo e se molda a opinião das pessoas que, cada vez mais, têm menos sentido crítico e capacidade para se interrogar da verdadeira natureza dos factos. E pouca hipótese têm disso. Do universo Sportinguista, quantas pessoas devem ter lido o despacho da acusação? A CS sei que leu toda mas repor verdades ou desfazer equívocos é coisa que não dá tanta audiência ou vende mais.

Pouco ando pelo Facebook, mas quem me segue no Twitter sabe o que penso desde o primeiro dia: eu não acredito na narrativa que nos querem vender. Mas caso se encontrem os culpados – sejam eles quem forem – com PROVAS e não efabulações e teorias que dão jeito a algum propósito nefasto – que paguem pelo que fizeram.

Mas por favor, não inventem. Não acrescentem um ponto ao conto já por si mal contado.

CRÓNICA SOBRE UM RESSABIAMENTO JORNALÍSTICO

Desde domingo, que o circo mediático voltou às televisões. O motivo: a detenção absurda e ilegal de Bruno de Carvalho que se mantém ainda hoje (na opinião de vários juristas e da própria Ordem dos Advogados).

img_8009

Não vou falar em geral – o circo fala por si – mas de um caso em particular que me chocou ontem. Chocar, até é uma palavra simples demais, para descrever o que se passou, com o directo de uma jornalista da TVI.

Embora os acontecimentos tenham sido ontem, é anteontem que, na minha opinião, começa o ressabiamento da «douta» Carolina Resende Matos.

A profissional (?) da TVI é «encostada às boxes» por José Preto, advogado de BdC, ao fazer a pergunta mais inteligente que se lembra no momento, levando com a resposta «Essa pergunta é completamente idiota!» Não querendo ficar atrás (imaginando que desta forma conseguiria a tão desejada declaração do advogado – em «Novas Formas do Jornalismo Circense, Cap. IV»), a jornalista responde com um «É uma pergunta como tantas outras quem decide quem faz as perguntas que faço sou eu».

Como podem constatar no vídeo, foi a melhor abordagem possível para se conseguir um belo dum «furo» jornalístico…

Ora isto leva-nos ao directo de ontem. Vejam este vídeo com atenção:

Então vamos lá dissecar este tratado de conhecimento jurídico-policial-jornalístico impecável da senhora jornalista:

«Tanto BdC como Mustafá são arguidos neste processo. Estão detidos mas que ainda não privados de liberdade mas têm exatamente os mesmos direitos, os mesmos deveres, têm de ser algemados (…)»

-Então temos arguidos, mas que estão em liberdade, mas que têm deveres (?) e que têm de ser algemados. A sério? Mas onde é que isso está escrito?! Mas continua…

«Aliás, tem de ser por ordem, por regra, têm de ser algemados, transportados numa viatura policial e não se entende a diferença de não terem vindo nas carrinhas da unidade de intervenção exactamente igual a todos os outros arguidos».

-Aconselho a Carolina a ler a directiva do Parlamento Europeu de 9 de Março de 2016 que tem o objetivo claro de reforçar o princípio de presunção de inocência consagrado constitucionalmente (artigo 32º)

img_8034

Carolina continua o seu sábio discurso, desta vez em defesa da PSP, vitimizando aquela força policial e referindo uma guerra interna (?) que desta forma é descrita:

«Não foram transportados pela elite da GNR e sim por carros descaracterizados, colocando, como eu dizia há pouco, em causa aqui o trabalho feito pela PSP (…)».

-O drama, o horror. O tratamento preferencial, porque foram em carros descaraterizados colocando em causa a própria PSP! Continuando:

«E é uma situação, diria até que uma espécie de guerra interna nos últimos meses que tem acontecido porque estão feitos vários planos para a PSP no que diz respeito fora do tribunal, uma vez que a jurisdição aqui desta área é da Policia de Segurança Publica e depois lá dentro é da GNR»

-Então temos uma guerra interna há meses…Meses?! Mas já se sabia há meses que BdC e Mustafá iam ser detidos e depois ouvidos no Tribunal do Barreiro?… E que esses planos foram desfeitos devido a essa suposta guerra? Realmente, como podemos ver nesta foto, o corpo de intervenção rápida da PSP está completamente à nora, sem saber o que fazer, com a mudança de planos imposta pela GNR, num clima de guerra impressionante:

img_8035E para o remate final:

«E à última da hora a GNR pretende mudar os planos sem avisar sequer o que é que vai acontecer à PSP e também depois, como é óbvio a própria Comunicação Social tem que andar aqui de um lado para o outro ainda que, como disse, nós estamos aqui precisamente para noticiar e estávamos já a contar que estas manobras de diversão acontecessem…».

-Então temos uma mudança de planos sem avisar a PSP e a própria CS que – coitados!! – têm de andar de um lado para outro (onde já se viu!) sem saber, desnorteados! Mas calma… Afinal de contas, estamos aqui para noticiar e já estávamos a contar com estas manobras de diversão.

Resumindo:

A jornalista queria, porque queria muito muito ver Bruno de Carvalho algemado. Tinha de ser! Não está preso, mas tinha de ser algemado e mais: tinha de sair de uma carrinha identificada da GNR, passar à sua frente para ser filmado, algemado (sim, mais uma vez… A Carolina referiu sete, por isso ainda fica a ganhar) e deixar a jornalista feliz e contente por estar à espera da sua imagem «dourada» pelo menos há seis meses.

Meu deus Carolina, acho sinceramente que devia processar a GNR e quiçá o próprio Estado, por esta maldade que lhe fizeram!

Um pouco mais a sério agora: não sei se pela resposta anterior a uma pergunta «idiota» nas palavras de José Preto, se pela frustração de, em dois dias seguidos, não ter alcançado nenhum dos seus objectivos, esta jornalista demonstra o mais puro ressabiamento, tecendo uma série de comentários infelizes, adivinhatórios e imprecisos. E é este o jornalismo que temos.

SEJA O QUE DEUS KEISER…

A derrota na taça da liga foi a gota de água. Findo o encontro com o Estoril, o desagrado vindo das bancadas foi audível e notório, insatisfação essa que já vinha desde o jogo em Portimão.

Peseiro nunca foi consensual no Sporting. O treinador apelidado de «PéZero» ou «Pé Frio» nas redes sociais, nunca reuniu a maioria dos apoios como treinador do Sporting.

Não vale a pena estar aqui descortinar as razões para tal, pois já foram mais do que debatidas na Comunicação Social. O que é estranho é essa mesma CS não referir (ou pouco mencionar), que esta foi a escolha pessoal do amigo Sousa Cintra na sua passagem pela Comissão de Gestão do Sporting. E mais: o Próprio Cintra assumiu: “Não se pode agradar a todos, uns querem estrangeiro… Foi a minha decisão, se as coisas correrem mal assumo essa despesa». (notícia completa aqui).

Ora bem, ficamos então à espera que Cintra já tenha o dinheirinho preparado. Quanto ao Peseiro, na minha humilde opinião, já vai tarde e nunca devia ter vindo!

Com Peseiro fora, Tiago Fernandes assume o comando provisório e começam os nomes a sair na CS. Desde o dia 1 de Novembro, já foram «confirmados» ou «avançados no Sporting: Paulo Sousa, Miguel Cardoso, Cesare Prandelli, Peter Bosz, Jorge Sampaoli, Leonardo Jardim e agora, parece que o nome final é Marcel Keizer.

«Quem?» foi a pergunta que mais li ao ser anunciado como certo. Embora Varandas não tenha revelado ainda o nome, afirmando que apesar de já estar escolhido o novo treinador «não posso revelar porque ainda tem de rescindir o contrato com o clube em que está agora em funções».

Coincidência ou não, o treinador de que todos falam agora (mais uma vez) como forte possibilidade no Sporting está no mesmo clube onde trabalha o médico contratado para vir em Janeiro para o SCP: João Pedro Araújo, o Al-Jazira. Mais, segundo alguma CS, sempre bem informada, foi o médico a fazer a ponte entre o treinador e a direcção do SCP. É o chamado «2 em 1», portanto.

Segundo li na imprensa, Keiser formou-se nas escolas do Ajax. Gosta de jogar 4x3x3 e no CV conta com… zero títulos. A CS, bem informada como sempre, desta vez pela voz Pedro Sousa, no seu espaço habitual na TV, adianta que o treinador custará 530 mil euros (custo da indemnização ao clube árabe) e que supostamente vai assinar por duas épocas, com um salário de perto de 700 mil euros/ano.

O sentimento geral é: que venha! Sem treinador é que não podemos ficar. Mais eis que, o que a imprensa mais uma vez, dava como 99% certo, afinal não é assim tão certo. Depois de avançarem que o Al-Jazira exige uma indemnização pela saída do treinador, o próprio Marcel afirma aos jornalistas que recebeu um convite dos Leões mas que «ainda não recebi a oferta formal”. (Aqui).

Estranho, é A CS já saber os detalhes do contrato do suposto novo treinador, antes do próprio! Há proposta? Não há proposta? Arrependeram-se? Marcel não aceitou e quer outras condições?

Portanto: a CS dá Marcel como certo, vamos pesquisar quem é o homem, lá nos convencemos que é ele (apesar do CV pouco empolgante), o clube onde trabalha faz braço de ferro, Marcel diz que apenas tem uma proposta verbal… e, 6 dias depois, estamos na mesma à deriva, nas águas da CS, como de costume.

Eu não queria o PéZero. Mas despedir o treinador (de madrugada, de manhã, a mando de outros ou pelo próprio presidente) sem ter uma opção?… Não digo imediata, mas passados 6 dias ainda andamos nisto?!

Veremos o que acontece. Eu quero é um treinador e um Sporting vencedor. Até lá, seja o que Deus Keiser!

PRESO POR TER CÃO…

O que leva uma página do Facebook, de um programa de entretenimento na televisão pública, a ser atacada por centenas de comentários depreciativos? O convidado ser Bruno de Carvalho.

Quando na semana passada o «5 para a Meia-Noite» anunciou que um dos convidados seria Bruno de Carvalho, a caixa de comentários do post foi literalmente invadida por comentários depreciativos. Mesmo antes do programa ir para o ar.

Desde espectadores ditos assíduos que juraram a pés juntos que não iriam ver, às referências à perda de qualidade do programa, passando pelas insinuações mais insanas, pode ler-se de tudo um pouco por ali.

Confesso que algo me escapa.

Compreendo que gostos não se discutem. E compreendo que só viu quem quis. Mas estamos a falar de condenar, à partida, algo que nem sequer se sabia o que ia ser. E confesso, que muitas pessoas deveriam rever o conceito de Democracia que, segundo sei, ainda é o regime político em vigor, neste país à beira-mar plantando, mas que começa a ser não de tão brandos costumes…

Bruno de Carvalho não faz qualquer publicação no Facebook desde dia 11 de Setembro. Para além de uma foto ou outra no Instagram, na companhia de amigos e a praticar o seu hobby preferido, praticamente não aparece. Bruno de Carvalho é uma figura pública. Goste-se ou não, foi presidente do Sporting Clube de Portugal durante cinco anos e meio.

Não pode ser convidado de um programa?… Perdeu o direito de viver a vida como quer e lhe apetece? De aparecer em público?…

O que tem Bruno de Carvalho de tão especial para incomodar tantos e suscitar tantas reacções? (E audiências, pois apesar das críticas, o programa foi um dos mais vistos de sempre – vá-se lá entender…).

Gostava de perceber. E não estou a falar apenas do universo Sportinguista. Curioso – ou não –, a maioria dos comentários até é da autoria de adeptos do clube rival. O que incomoda tanto estas pessoas? Alguém me sabe responder?…

E a Comunicação Social, como reage? O que retira da participação de BdC no programa?… A magnífica noticia, fantástica e chocante que BdC… está mais gordo! O drama, o horror! E agora, meu Deus, o que vai ser de BdC?!

O ridículo foi tal, que a apresentadora do programa, Filomena Cautela, não ficou indiferente e resolveu responder às críticas negativas geradas pela participação de BdC no programa (pode ver aqui).

Estamos a falar de um programa que já teve a participação de, entre outros, José Sócrates, Paulo Portas, Passos Coelho e o actual primeiro-ministro António Costa! Eu sei que o futebol desperta ódios e paixões, mas os políticos vão-nos ao bolso, caramba! Não me recordo do mesmo tipo de contestação… Alguém tem a amabilidade de me explicar?

Está mais que visto e provado: faça o que fizer, BdC é um case study. Preso por ter cão e preso por não ter.

Quer se ame ou odeie, não me recordo de tamanha perseguição a uma figura pública no nosso país. Nem mesmo a Cavaco Silva (e eu sou do tempo em que o Independente, de Paulo Portas, não poupava Cavaco e os seus ministros; semana sim, semana sim com manchetes – nenhuma delas abonatórias).

Agora imaginem se Bruno de Carvalho ainda fosse Presidente do Sporting…

MOBILIZAÇÃO PRECISA-SE!

Hoje venho falar-vos de mobilização. E porquê? Porque se aproximam tempos importantes para o nosso Clube, em que os Sócios serão mais uma vez chamados a tomar uma posição.

O SCP vem de uma AG da qual resultou, pela primeira vez, a destituição de um presidente.

Presidente esse que acabou por ser suspenso por uma comissão de fiscalização presidida por um forte opositor do mesmo. Clube que, na época, tinha como presidente da SAD Sousa Cintra (que cada vez que abre a boca para falar desses tempos, se descobrem novos factos dos negócios desastrosos por ele levados a cabo).

Seguiram-se umas eleições discriminatórias pois não permitiram que o presidente destituído se apresentasse a votos – pondo de parte uma falange considerável (nunca saberemos ao certo a sua dimensão) de Sócios – que se viram obrigados a votar (ou não) em quem acharam que deveria ser candidato.

O que se avizinha: uma AG de extrema importância para a vida do Sporting onde, entre outros pontos, se votará o orçamento e relatório de contas do Clube. Se historicamente este tipo de assembleias não eram pautadas por grande mobilização, esta terá de ser forçosamente diferente.

É a AG o local próprio para que os sócios, de uma vez por todas, se pronunciem sobre os pontos em discussão, em vez de o fazerem nas redes sociais ou nas conversas de café.

Ao longo destes meses, tenho constatado um crescendo de contestação e revolta por tudo o que se passou e passa no Sporting. Pessoas descontentes, que se queixam e lamentam todos os dias com o rumo que o Clube leva.

Seja pela fraca capacidade do treinador da equipa de futebol sénior masculina, seja pelas pobres prestações dos jogadores. Ou então pelas derrotas nas várias modalidades ou ainda por termos um presidente que simplesmente não fala!

Nas redes fala-se de tudo. «Despeja-se tudo». Quando chega a hora de partir para a acção, são poucos e sempre os mesmos a ter iniciativa, e muitas das vezes, de forma desconcertada.

É incrível a quantidade de pessoas que leio que deixaram de pagar quotas, como forma de protesto. «Recuso-me a dar dinheiro a estes que lá estão» é a frase recorrente. Errado. Por dois motivos: primeiro, o Clube, acima de tudo, precisa da quotização. Independentemente de quem esteja ao comando, é pelo Sporting que temos de zelar. Depois, se não tivermos as quotas pagas, não temos o nosso maior trunfo, a nossa voz para tentar mudar aquilo com que não concordamos: o voto. Sem ele, nada podemos fazer.

É muito isto que se tem de combater. Não basta dizer sempre o mesmo, para as mesmas pessoas, nos mesmos locais. É preciso mostrar, com o voto, aquilo que queremos. Nunca a frase feita «passar das palavras à acção» fez tanto sentido!

De outra forma, não nos podemos queixar.

COM A VERDADE ME ENGANAS

Anteontem, ao final do dia, sou surpreendida com uma mensagem perturbadora: «Exclusivo CMTV: Sporting tem pedido de insolvência em tribunal e pode abrir falência». Como é que é?

Imediatamente, começo a pesquisar por essa Internet fora e deparo-me com esta notícia: «Empresa pede a insolvência do Sporting por dívida de 500 mil euros. Saiba tudo no ‘Pé em Riste’, da CMTV». O drama, o horror! 500 mil euros?! (Pode ler aqui) A sério? Mas afinal o que se está a passar?

Pesquiso e, afinal, mais uma vez, a montanha pariu um rato! Existe de facto uma empresa a pedir a insolvência do SCP. Acontece que esta notícia é recalcada de outra que já leva sete meses (Aqui). Isso, leram bem: SETE MESES! E como se não bastasse, a empresa em questão alega que esta dívida refere-se ao período em que Paulo Pereira Cristóvão era vice-presidente do Sporting.

Voltando à notícia de há sete meses, é escrito que a empresa Camacho & Nunes pediu a insolvência da Sporting SAD devido a uma dívida de 511 mil euros (valor exorbitante e que leva à falência qualquer SAD em dois tempos, não acham?) e e cuja acção, deu entrada em tribunal no dia 19 de Fevereiro. Segundo a notícia, a dívida remonta ao período entre Março de 2011 e Junho de 2012.

Não sei se se recordam mas, nesta altura na direcção estava quem? Esse mesmo, o tal Godinho Lopes que agora anda para aí a chorar que quer voltar a ser sócio do SCP. Por este andar, não deve faltar muito, já que a memória geralmente é muito curta! Adiante…

Portanto, a notícia é de facto verdadeira. Mas pergunto, qual a sua relevância passados sete meses?… E atenção: o Sporting contestou garantido a estabilidade financeira da SAD. Oh meus amigos, vocês decidam-se: o anterior CD deixou o Sporting de rastos ou então estamos estáveis? Ora estamos em falência técnica, ora estamos muito bem de saúde! Isto da CS e da actual direcção dançarem conforme a música que toca, é no mínimo, revelador de intenções.

E não esquecer que ainda há o «fantasma» da auditoria forense que, já foi dito que só está pronta no ano que vem, mas da qual Pedro Guerra – esse arauto das informações relativas ao Sporting – já veio dizer que termina este ano e que vai revelar algo muito grave. Ainda bem que os assuntos do Sporting andam tão bem entregues nas mãos de quem tanto sabe e divulga… Passando à frente…

Obrigo-me a ver a emissão da CMTV (sim eu sei, sou masoquista, mas teve de ser para escrever esta crónica), e o que temos então? Blá, blá, blá. Foi interposta em Março, depois rejeitada, agora aceite pelo tribunal. O SCP, apresenta os seus cinco maiores credores (com valores muitíssimo mais elevados de dívida) alegando que nenhum deles pediu a falência da SAD (por a mesma estar de boa saúde).

E diz o jornalista autor da reportagem: «cabe agora ao juiz decidir se vai avançar ou não com a insolvência e se outros credores avançam com outro pedido». Ah bom! É o juiz que vai decidir, ufa! Pensava que era a CMTV! Mas deixa lá lançar a escada aos outros credores, sempre podem fazer o mesmo e temos notícias para mais seis meses. O que interessa é tirar o foco do que realmente tem importância, não é verdade? E quem tira, desta vez o foco, já se questionaram?…

O jornalista remata que Varandas tem mais um problema para resolver, herdado da anterior direcção. «Esqueceu-se» foi de referir que o problema é herdado sim, mas de Godinho Lopes (ainda!).

Jaime Mourão Ferreira, outro arauto da comunicação e informação do Sporting, revela que a notícia não o preocupa especialmente pois 90% das empresas portuguesas estão em falência técnica. Afinal, é grave ou não é?! E, André Ventura – esse bem informado benfiquista/advogado/candidato/fundador de partidos políticos – apressa-se a dizer que isto da falência é apenas uma hipótese académica. Portanto: primeiro lança-se o pânico, e depois explica-se que não é bem assim. Mais do mesmo.

E vão buscar as declarações do Ricciardi. Junta-se o Ricciardi – que segundo o pivot «tem sempre boas informações» – e esta notícia, soma-se 2+2 et voilá! À viva força, é sinal que algo não está bem e a SAD tem de estar falida! Ricardo Tavares, lança lenha para a fogueira dizendo que Ricciardi deve saber o que diz, se o diz, é preocupante e relevante. Não consegui ver mais nada.

Resumindo: o que interessa é lançar carvão a toda a força. Já percebemos o que é que vende e dá audiência, não é verdade? É preciso alimentar «o bicho» para o mesmo crescer. Pelo que temos assistido nos últimos tempos, cheira-me que algo grave deve estar mesmo para sair, mas sobre o outro lado da 2ª circular. Não tem sido sempre assim?

Page 1 of 3

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén