Parece que a situação que se vive hoje no Sporting Clube de Portugal é novidade para alguns.

Alguns desses que hoje pedem que se reverta a situação, foram contribuintes liquidos para a mesma, quer pela forma como se comportaram durante o mandato da Direcção anterior, quer pela forma como branquearam todo o processo que levou à destituição destes (anterior direcção) e processo eleitoral que elegeu Frederico Varandas.

Foram estes dois processos que conduziram directamente à situação que estamos hoje. Claro que a Direcção de Frederico Varandas tem feito de tudo para que não haja União entre os Sportinguistas. E os que não se reveêm minimamente nesta Direcção, têm correspondido ao repto com afã!

Neste momento é mais o que nos separa do que aquilo que nos une! Nem mesmo a exigência de vitória ou a simples cor da camisola alternativa parece ter a concordância de todos, num processo que nos afasta cada vez mais.

Do lado de lá fazem a acusação que fomos nós os dissidentes deste Sporting, justificando a nossa atitude como uma espécie de culto ao Líder ou à Liderança de Bruno de Carvalho. Reconheço-me nesta acusação em parte. Sim afastei-me mas não por causa de qualquer culto ou vassalagem a quem quer que seja, mas porque não concordo com os processos nem com a forma de gestão desta Direcção e isso, nada tem a ver com BdC.

Ou antes, tem tudo a ver, mas no sentido que ele conseguiu fazer com que o Clube crescesse, em todos os sentidos, sem sacrificar a parte económica. E isso é o seu legado mais forte que perdurará por muitos e longos anos, servindo que contraponto a todas as gestões e direcções, presentes e futuras, obrigando-as a seguir o mesmo caminho se quiserem continuar. Está provado que o caminho existe e nisto, não é possivel voltar atrás.

Poderia ter sido diferente? Sinceramente creio que sim. Tenho as minhas teorias de porque não o foi, mas o que vale é que a maioria dos Sportinguistas “aceitou” não só o processo de destituição, como um processo eleitoral eivado de ilegalidades e de democraticidade duvidosa.

Se nessa altura fiquei surpreendido com a passividade dos meus consócios, hoje percebo melhor que a “maioria” conviva bem com a questão dos votos terem código, do desrespeito contínuo dos estatutos e regulamentos internos, tudo em nome da recuperação de “Valores” que, supostamente, se terão perdido durante o mandato de Bruno de Carvalho e que agora estão recuperados por estes meios pouco claros e por quem prometeu ser transparente, em contraponto à anterior direcção.

Já não interessa a verdade! Não interessam os factos! Interessa somente esta “verdade alterantiva” que se foi criando, que não é consubstanciada em nada real, mas que pelos vistos é a “nova verdade” aceite pelo status quo que preside ao Clube e aos seus destinos. A famosa “auditoria” é uma prova disto que afirmo. Uma mão cheia de nada que nos venderam como se fosse a prova que suportaria a o mau trabalho feito pela direcção de BdC.

Querem outra? O #Cashball foi ontem arquivado pela Federação Portuguesa de Andebol.

Com tudo o que fizeram criaram e deram força a um fantasma que vai ensombrar o presente! E a cada vez que os resultados não aparecerem, a realidade ficará cada vez mais visível e o “jogo” de espelhos e sombras que foi montado para eludir alguns, acabará a descoberto e deixará de funcionar. E um dia a revolta chegará…

O tempo e a História são os maiores tribunais e um dia, sem dúvida, proferirão o seu veredicto e desse não haverá possibilidade de fugir.

Até lá continuaremos a lutar contra “os moinhos” de vento que nos dizem ser, até que um dia estes provem ser os demónios que nos assombram e nos diminuem ou que a verdade alternativa se transforme em verdade.

A ruptura, para já, é insanável e por muito que tentem, acusem e expulsem obterão o mesmo resultado. Seguiremos desconfiados e em discordância total com o status quo actual, continuando a lutar por esse Sporting de Outrora!

Saudações Leoninas.