A semana passada foi pródiga em acontecimentos positivos para o Sporting Clube de Portugal. Ganhámos no Futebol, no Vólei, no Hóquei, no Ténis de Mesa, no Andebol, entre outras vitórias assinaláveis.

Destaco o futebol porque nos valeu a presença no Jamor e o Hóquei que nos valeu a presença na Final Four da Taça CERS.

Na semana passada também pude ouvir a entrevista de Bruno de Carvalho ao Sporting160 e julgo que foi a melhor entrevista que lhe fizeram… Quase desde sempre… Parabéns aos entrevistadores pela qualidade das perguntas, nada macias, e ao entrevistado por ter recuperado a boa forma, evidenciada nas boas respostas que deu.

Ao ouvir a entrevista, senti que se tinha fechado um capítulo… Bruno de Carvalho escreveu um livro, onde fez a catarse possível dos anos em que foi Presidente do Sporting. Digo possível porque ainda existem alguns assuntos pendentes para resolver.

O caso de Alcochete, que está em julgamento e no qual, Bruno do Carvalho é arguido e a acção que em se pede a impugnação da AG de 23 de Junho, também ainda à espera de julgamento e decisão por parte do Tribunal.

Pesando tudo o que a sua Direcção fez nos seus 5 anos e meio de mandato, continuo a considerá-lo como o melhor Presidente que vi no Sporting. E quanto mais não seja, deixa um legado que muda o Clube para sempre. Bruno de Carvalho deixa-nos a certeza que é possível gerir o Sporting eclético, com a máxima exigência, mantê-lo sustentável e ainda fazer crescer a sua massa adepta.

Digam o que disserem os contra e os a favor da sua gestão, isto é um facto incontornável.

Inevitavelmente a sua gestão também provocou uma fratura entre os sócios que apoiam este novo Sporting e os que apoiam o “Velho Sporting”, mais “aristocrático”, mais “amigo” dos outros (clubes, compadres e afins), com mais “simpatia e compreensão” e menos exigência.

E é nesta nova realidade em que estamos inseridos… Um Clube partido em várias facções em que o diálogo e a comunicação não existem e, arriscaria mesmo dizer, é impossível de existir!

Está na hora de deixar de pensar na volta do Bruno (por muito que eu próprio ainda a deseje) e de começar a tentar perceber o que nos reserva o futuro. Não que esse futuro seja necessariamente sem ele, mas teremos de estar preparados para essa possibilidade, garantindo que quem quer que esteja “ao leme” não se desvie do Rumo Certo.

Ao Bruno, resta-me agradecer-lhe por tudo o que fez pelo nosso Clube e garantir-lhe que as lutas que ainda tiver que lutar, contará com o meu apoio. Estaremos juntos, seguramente, na batalha da Expulsão e na recuperação do Crónico!

Mas o Sporting não pára e nós ou nos assumimos como Sportinguistas de pleno direito e retomamos a nossa “militância verde” ou de facto o “Velho Sporting” terá vencido!

E não pensem que ser Sportinguistas de pleno Direito é deixar de pagar quotas ou de apoiar as nossas equipas! Isso é abandonar o Clube! Isso é fazer exactamente o que “eles” querem… Manter somente aqueles que lhes são dóceis! Os “Puros”, segundo eles!
Não! Isso não é ser do Sporting… Dizer que se ama o Clube e depois abandona-lo no momento em que ele mais precisa da nossa “voz” e da nossa presença é uma estranha forma de amar, no mínimo!

Imaginem o que seria se a Força Política em que votássemos perdesse as eleições legislativas e por esse motivo todos deixássemos de pagar impostos e emigrássemos? Seria simplesmente parvo alguém sugerir semelhante coisa… Além disso, o país já estaria vazio, pois todos já teríamos partido.

Está na hora de voltarem e serem uma voz activa dentro do Clube que amam, seja na oposição a esta Direcção ou, seja simplesmente apoiando as nossas equipas, os nossos atletas!

Continuarei a minha oposição responsável (em contraponto ao que fizeram ao Bruno e que eu tanto critiquei), expondo os meus pontos de vistas e as minhas razões, evitando a todo o custo a política de terra queimada que foi seguida pelos anteriores opositores e actuais dirigentes!

Continuarei a desmontar todas as mentiras que os “sindicatos de comunicação” e “agências” congéneres põem a correr, por essas redes sociais a fora.

Continuarei a opor-me frontalmente a todos os assassinatos de carácter e ataques ad hominen, venham eles de onde vierem.

Continuarei sempre a ser “brunista”, não pelo homem Bruno de Carvalho mas pela preservação da sua ideia de Sporting que também é a minha.

Continuarei a achar que o processo que levou à sua destituição foi um golpe antidemocrático e lesa Clube.

Em suma não esquecerei o que nos trouxe até aqui, nem deixarei nunca que se branqueiem as situações que nos conduziram ao presente.

Mas o Sporting precisa de UNIÃO!

Não uma UNIÃO em torno desta ou daquela Direcção, mas sim em torno do Clube, mais propriamente dos seus atletas que dão expressão e grandeza ao nosso amor, não deste ou daquele em específico, mas de todos! Porque todos, mal ou bem, vestem a nossa camisola e defendem as nossas cores.

O Sporting Clube de Portugal precisa de vocês! O Sporting Clube de Portugal precisa da vossa presença! O Sporting Clube de Portugal, em 112 anos de História, já teve muitas Direcções e muitas oposições a estas! E ainda cá está!!!!!

O Sporting é MAIOR que todos nós, mas não existe sem que nós, Sócios, façamos parte dele!

Saudações Leoninas!