Aproveitadores do futebol

Todos nós sabemos que o futebol é um mundo à parte, que movimenta milhões e multidões. Também conhecemos muitas histórias que foram tornadas públicas pelos mais diversos meios de comunicação social, e que envolvem escândalos com jogadores ou com dirigentes de clubes.

Existem, no entanto, outras situações, não menos escandalosas, que o cidadão comum, mesmo o mais apaixonado por futebol, não tem conhecimento. Talvez porque notícias como essas não vendem jornais, ou revistas.

Almejando jogar ao mais alto nível, os jogadores geralmente abandonam os estudos muito cedo (e este será um outro tema a desenvolver futuramente),e envolvem-se num mundo extremamente exigente nos seus clubes, que os faz afastar da vida normal em sociedade, quer pela exigência diária para alcançar a alta performance, quer pela falta de tempo que esta exigência proporciona, quer ainda porque passam a ser figuras públicas, sempre debaixo dos olhares críticos da sociedade.

Por força do que acabámos de dizer, o jogador de futebol é regra geraltímido, e procura evitar conflitos ou confusões que possam expor a sua carreira ou a sua família. E é também uma pessoa… normal… que tem as mesmas necessidades que outra pessoa qualquer tem.

E é sobretudo por causa destas necessidades, aliadas à falta de tempo, de estudos e à visibilidade pública, que surgem os habituais “aproveitadores do futebol”, como que sanguessugas, que conhecem muito bem como tirar proveito das fraquezas destes desportistas.

Há alguns meses, esteve no meu escritório um jogador de futebol internacional, que atua num grande clube em Portugal, e que tinha acabado de chegar ao nosso País, por transferência dum outro grande clube europeu.

E procurou-me porque queria que eu lhe garantisse juridicamente que ao pagar o valor que uma suposta pessoa lhe exigia, ele (o jogador) poderia ficar descansado, não voltando a ser importunado por causa daquele tema.

Pedi que me contasse melhor o problema, e ele disse-me que chegou a Portugal primeiro que a sua esposa e os seus, e para adiantar trabalho, tinha visitado alguns apartamentos no intuito de escolher um que viessem a arrendar.

Agradaram-lhe alguns, e inclusivamente fez chamadas de vídeo para a esposa, mas, não se vincularam com nenhum, porque a esposa queria ver os apartamentos pessoalmente – e com razão, porque nesta matéria são as mulheres que mandam!

Ao chegar a Portugal cerca de 4 dias depois, verificando que um dos imóveis ainda se encontrava livre, a esposa foi visitar o apartamento com o marido, e não lhe agradou, razão pela qual disseram à proprietária que não pretendiam ficar com aquele imóvel.

Uma semana depois, o jogador recebeu uma carta “em seu nome” no clube para onde foi jogar, remetida pela proprietária do apartamento que não pretenderam arrendar, exigindo o pagamento duma quantia de cerca de € 2.000,00, porque não quiseram arrendar aquele apartamento!!!

Aquele jogador veio falar connosco, porque queria pagar para evitar confusões com o seu novo Clube, mas queria ter a certeza que a senhora não o incomodaria mais.

 

Ora, a uma pessoa normal, como eu, ninguém exigiria uma compensação (sabe-se lá a título de quê) só porque não gostei dum apartamento, e não o pretendo arrendar.

Provavelmente, como a minha barriga não permite que eu seja grande jogador de futebol, nunca atraí estas sanguessugas aproveitadoras. Mas para estes jogadores, é o pão nosso de cada dia.

É claro que este problema se resolveu com uma carta do nosso escritório.

Mas o que me preocupa, são aquelas que não temos conhecimento, e que por força disso vão alimentando os “aproveitadores do futebol”. Que a meu ver, os Clubes e os Agentes Desportivos, também têm uma quota de responsabilidade.

No entanto, isto são os olhares dum causídico, que é também apaixonado por futebol.

Saudações Leoninas!

Comentários do Facebook