31 - UM JORNALECO ULTRAJANTE

era uma vez num reino distante,
um jornaleco ultrajante
de muito baixa qualidade
que faltava à verdade
que insultava pessoas de bem
que ameaçava com chantagem
que não cumpria a lei
e qual absolutista rei,
permanecia impune
e a tudo tranquilamente imune.

intitulavam-se de jornalistas
e como experientes lobistas,
criaram uma rede de criminosos
com outros reles pasquins,
para atingir os seus miseráveis fins.
contando com notáveis asquerosos,
tocaram bem alto os seus clarins,
tendo a ajuda do regime
e de “respeitáveis” políticos da praça,
para fazer cair em desgraça
quem denunciava o seu crime.

mas o jornaleco ultrajante
desse reino distante,
esqueceu um pormenor relevante,
as noticiazinhas de merda
são um zero à esquerda,
no combate à verdade e à razão,
à vontade e à paixão!

e assim a tal união de corruptos e falsos,
criou os seus próprios cadafalsos,
onde cada cabeça canalha
será decepada sem nenhuma falha.

©ArthurSantos