A última jornada europeia teve pontos muito interessantes de se analisarem. Dentro e fora de campo. Dentro de campo já foi bastante escalpelizado e o nosso Sporting teve uma resposta de raça e atitude, com muita coesão defensiva e uma ligação entre a equipa e a bancada como este ano não se tinha visto, ainda.

Mais uma vez, acompanhei o nosso Sporting, desta vez em Londres no estádio do Arsenal. Fica aqui uma nota, é um estádio muito confortável, com excelentes condições, que em certos aspetos mais parece um hotel misturado com centro comercial. O melhor onde já estive.

loungearsenal

foodcourtarsenal

Antes de entrar no estádio, aproveitei e fui visitar o Museu do Arsenal. Ficou evidente para mim, ao fazê-lo, perceber melhor a grandeza do Sporting Clube de Portugal. Incomparável.

emirates

Habituados que estamos às más condições da esmagadora maioria dos estádios de Portugal, podíamos ter estranhado aquele conforto e adormecer na bancada, mas pelo contrário sentimo-nos tão bem, mas tão bem, que demos um espetáculo no apoio ao nosso Clube como aquele estádio ainda não tinha assistido.

Já há 2 anos atrás, na ida ao Santiago Barnabéu, o espetáculo foi tal, que no fim do jogo ao conviver cá fora com os meus amigos Sportinguistas, os madridistas que paravam para falar connosco diziam espantados que nunca tinham visto tal atitude nos adeptos no apoio ao seu Clube.

Ou seja, os Sportinguistas elevaram lá fora, da melhor forma, o nome de Portugal e dos Portugueses. Não que fosse reconhecido cá dentro, ou dado o devido destaque, mas sim, pelo que fomos acompanhando pelas redes sociais, no que iam dizendo os ingleses que assistiam ao jogo.

tweetarsenal.jpg

Pelo contrário os adeptos dos nossos rivais de Lisboa destacaram-se pela negativa. Curiosamente, ou talvez não, também não houve destaque em Portugal, mas houve lá fora. Vejamos o que disse um jornalista Holandês hospedado no hotel atacado pelos ditos adeptos.

«Em toda a parte só se via sangue depois daquele que foi um ataque cobarde de hooligans ligado ao Benfica», Mike Verweij, jornalista do Telegraaf que estava hospedado no hotel alvo do ataque

Acalmem-se todos! Pois não foi um ataque terrorista! Foi uma visita de cortesia, senão vejamos o que é contado no Telegraaf:

“vários elementos afetos aos encarnados, todos vestidos de preto, atacaram os adeptos do Ajax numa unidade hoteleira perto do Estádio da Luz”.

Portanto estavam todos de preto, pois têm bom gosto a vestir e como todos sabemos “de preto eu nunca me comprometo”, siga!

os adeptos holandeses foram mesmo obrigados a fugir para os quartos para se refugiarem, sendo que foi necessária assistência médica para alguns adeptos.”

Qual o problema? afinal, o que estavam a fazer estes holandeses no lobby do hotel e na esplanada, àquela hora, Hum hum hum?

Como Portugal é um país que não precisa do turismo para nada, isto que aconteceu no hotel contra cidadãos holandeses é coisa pouca, sem interesse para o Presidente da Assembleia da República ou para o Presidente da República, pois desta vez não fizeram nenhuma declaração a dizer que se sentiram vexados.

ferromarcelo

Assim os adeptos Sportinguistas deram 15 a 0, como diria o Ricardo Araújo Pereira, aos adeptos do seu clube, e é por isso que esta foi uma Crónica de uma jornada europeia diferente.

PS – enquanto escrevo esta crónica nos diversos canais de TV só se fala de um assunto, de um homem só, até parece que o E-toupeira, um processo onde se julga a infiltração de um clube no sistema de justiça de um estado de direito é coisa sem importância… estranhos dias estes que vivemos.

Um abraço de Leão

Nuno Sousa, Sócio 9.575-0 desde agosto de 1981