Continuam os boatos acerca de Bruno de Carvalho.

É difícil de acreditar que mesmo estando desaparecido há quase um mês, o seu nome continue a ser mencionado em notícias, sempre que dá jeito a alguém!

Sim! Sempre que dê jeito a alguém. Depois de termos perdido 4-2 com o Portimonense saíram as seguintes notícias:

  • 700,000 euros em Scouting
  • 800,000 euros para a empresa onde trabalhava Alexandre Godinho
  • Mandado de captura eminente e declarações DIAP!

Três notícias que retiraram o foco da derrota em Portimão e o crescente descontentamento com o trabalho do Peseiro e as declarações catastróficas do Ricciardi à CMTV.

Foi preciso voltar, mais uma vez, a utilizar a mentira e a insidia, sujando um pouco mais, sem dó nem piedade, o nome de Bruno de Carvalho, arrastando-o pelo esgoto em que se tornou a nossa comunicação social.

Quando o assunto é Bruno de Carvalho, as luvas saem das mãos dos jornaleiros e logo escrevem falsidades atrás de falsidades, conjecturando, difamando, caluniando, utilizando tudo e todos para atingir o seu propósito objectivo. Assassinar o carácter de um homem!

Enquanto isso, as nossas autoridades assobiam para o lado como se nada se passasse, enquanto assistem impávidas e serenas às atrocidades cometidas em nome da liberdade de expressão!

Ah mas não esperam pela demora! Os nossos media já perceberam que o modelo CMTV dá dinheiro (a Cofina aumentou os seus lucros desde que começou a perseguir Bruno de Carvalho) e qualquer dia vão experimentar fazer o mesmo a outros… E nesse dia, talvez as nossas autoridades percebam que o fim da democracia estará mais próximo!

Nesse dia talvez percebam o quão fácil é manietar este pilar poderoso e condicioná-lo para agir não em nome da verdade, mas sim, em função de quem paga mais ou gera mais receitas.

Talvez nesse dia sintam elas mesmo o amargo veneno que deixaram correr livremente e nesse mesmo dia percebam que já não há volta a dar. A informação deixou de ser credível, para passar a ser exclusivamente um produto de marketing, sujeito às regras de mercado e a competição selvática pela “melhor notícia” está a matar a ética profissional e deontológica de quem devia realmente preocupar-de com a verdade!

As redes sociais, que deviam ter introduzido mais e melhor democracia, estão a embrutecer as pessoas, fazendo-as afunilar a sua percepção, ao ponto de já não terem opinião própria e pura e simplesmente divulgam o soundbite do momento.

Existem milhões de indignados contra tudo e todos. Existem milhares de ofendidos por este ou aquele facto ou história… E nem precisam de saber muito para lançarem na sua timeline ou no seu feed, mais um chorrilho de banalidades ou frases feitas, que leram algures e que acharam piada.

E neste momentus horribilis que vivemos, alguns de nós tentam desesperadamente perceber como lutar contra o quarto poder, que cada vez é mais primeiro, deixando-nos à mercê das suas “verdades” e demagogias.

E cada vez torna-se mais difícil esclarecer aqueles que ainda hoje confiam cegamente nestes órgãos de comunicação para explicar-lhes de forma muito mastigada e pronta a comer, a realidade em que se inserem. Que lhes sirvam as fastnews, mesm que estas sejam fakenews.

E no meio deste turbilhão, o nosso Sporting Clube de Portugal, lá continua a tentar sair deste verdadeiro arraial de agendas e segundas intenções onde há 5 anos o colocaram.

Saudações Leoninas.