No início desta “crise” no nosso clube, comecei a escrever um livro de poesia, uma espécie de crónica dos acontecimentos. Seriam 50 poemas. Escrevi sobre factos e sobre pessoas.  A ideia era publicar esse livro. Por enquanto esse projecto está parado. Apresento-vos aqui o último poema. Em próximas crónicas partilharei outros poemas. Espero que vos agrade.

PONTO DE SITUAÇÃO (2)

enquanto um grupo de terroristas
assaltava uma academia,
a polícia assobiava
e nada fazia.

já lá estavam jornalistas
à espera dos assaltantes encapuçados,
parecendo terem sido
informados.

dirigiram-se cirurgicamente ao balneário dos artistas,
incentivados pelo sorriso indecente
dum médico que lhes sorria
complacente.

todas as acções foram minuciosamente previstas,
nada nem ninguém lhes fez oposição,
este assalto não foi feito
à traição.

como excelentes e bem treinados estrategistas,
abandonaram a Academia sem maior dano
e alguns até foram presos
por engano,
até porque dava muito nas vistas
a tal policia não prender ninguém
desses monstros a mandado
de alguém.

desses pseudo interrogatórios e entrevistas
nunca se soube nada nem se irá saber,
prender foi apenas
“para inglês ver”.

os mandantes até deram bem nas vistas,
o único objectivo foi bem evidente,
o poder sentia-se ameaçado
pelo presidente.

o presidente ameaçava fortes conquistas,
os donos do dinheiro tinham que meter um travão,
tinham que inverter
a situação.

nem precisaram de dar muito nas vistas,
bastou apelar à falta de memória,
à ignorância e à estupidez
e lá tiveram os apoios da carneirada
sem honradez.

de tudo fazem os corruptos malabaristas,
delapidam o capital, vendem ao desbarato,
gratificam empresários e o zé povinho
fica muito grato.

vou dar algumas inocentes pistas,
façam voltar o deposto presidente
se não querem ter um clube
para sempre
doente!

©ArthurSantos