Estamos num período conturbado asfixiado por umas eleições inesperadas, ou melhor, fora do contexto habitual de março com todas as consequências que isso implica.

E ainda muito antes da AG 23 que se percebe existir algo de anormal à procura de, por um lado, mudar o poder no Sporting e por outro lado, aniquilar o líder que foi eleito pelos Sócios.

Até que chegamos aqui, as portas do período eleitoral, sem que ainda os candidatos estejam aceites pela Mesa de Assembleia Geral (MAG) e na voz do seu maior protagonista o presidente da MAG (PMAG) Jaime Marta Soares.

Temos assistido a um rol de incongruências. São tantas que merecem alguns destaques para memória futura:

– A recusa da lista “Leais ao Sporting” aceite após providência cautelar.

– O anúncio da retirada das respectivas listas das assinaturas repetidas, em todas as listas, inovando os estatutos que não prevê esse acto.

– A nova data para o prazo da entrega das listas de candidaturas alargado para as 16 horas de hoje (9/8/2018) contrariando o que estava estipulado.

Depois é vermos, através das televisões, a postura e o discurso de Jaime Marta Soares na recepção de cada candidatura com uma clara metamorfose consoante o interesse/amizade e desejo chegando ao ponto de, no momento da entrega da candidatura de Fernando Tavares Pereira ouvirmos o PMAG demissionário apelar à profunda mudança dizendo de forma inequívoca ser esse o seu desejo numa clara alusão ao passado recente, mas que, mais uma vez, demonstrou a sua parcialidade neste processo todo.

Os estatutos e o regulamento ou até a lei têm sido cirurgicamente afastados em prol de alguma estratégia ou há demasiada incongruência. Inocente ou não o tempo fará o favor de esclarecer-nos…

Por vezes fico a pensar que, em matéria de estratégias, algumas têm falhado e é preciso recorrer a planos alternativos ou há por aí um gato que não desaparece, mesmo quando mandado do telhado, e teima em continuar vivo a lutar pelo seu Sporting recorrendo até à justiça, sempre alicerçado por um vasto grupo de Sócios que não abdicam de o apoiar.

E como as estratégias também falham, nesta altura, era suposto o ex-presidente estar completamente afastado sem que pudesse entregar a sua candidatura, para isso foi castigado por uma Comissão Fiscal (ilegal) e os destinos foram entregues a uma Comissão de Gestão que foi perdendo elementos para ir a votos contrariando as afirmações iniciais de Torres Pereira, eis que, ainda assim, o resistente conseguiu entregar a sua candidatura, o que não significa que seja validada. Há 48 horas a partir de hoje para que tal seja feito.

Na hipótese de não ser invalidada ou na alternativa de aquela candidatura ser obrigatoriamente aceite com outros nomes e sem possibilidade de ser anulada pelo regulamento e pelos estatutos, urge criar um plano estratégico para colmatar esse lapso porque é preciso evitar, por todos os meios, que Bruno de Carvalho regresse à presidência do Sporting Clube de Portugal.

Já percebemos que, em última instância, caso o gato continue a desbravar caminho com novas vidas, há que ter preparado um cenário – caso vença as eleições – para que estas possam ser impugnadas com base nos sucessivos erros cometidos por um PMAG demissionário e afectado por tanto desenvolvido imprevisto.

Bem sei que a convergência das listas pode não ser suficiente.

Que uma 2.ª volta não está prevista nos estatutos. Que o impedimento da lista “Leais ao Sporting” a ir a eleição pode ser vista como um abuso de autoridade remetendo para a Justiça e atrasando todo o processo eleitoral.

Mas isso levanta-me outra dúvida:

– Será que alguém está a fazer tudo por tudo para não sair do Sporting?

– E, para isso, se necessário for, vai fazer com que as eleições sejam adiadas?

Entre tantas afirmações que com o tempo caíram em saco roto, entre tantos atropelos aos estatutos e entre tanta evidência para afastar o antigo presidente de vez, haverá algum elo de ligação por que não acredito em tantas coincidências…

Que o gato tem sete vidas já todos sabíamos, só não sabíamos quem era o gato ou que afinal existiam dois gatos que, em versão lobo, assumiam, cada um, o seu papel de gato bom e gato mau…

E não quero acreditar que tudo isto se cinja a uma guerra de gatos, uma luta pelo poder, nem que o Sporting CP seja remetido para um qualquer lugar no espaço e no tempo ficando esquecido e desprotegido!

Esperemos por novos episódios…

Saudações Leoninas